Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider

Dica de quarta: Rico em antioxidantes

Dica de quarta: Rico em antioxidantes

 

Existem hoje dez vezes mais crianças obesas do que nos anos 70, diz estudo

Existem hoje dez vezes mais crianças obesas do que nos anos 70, diz estudo

Existem hoje dez vezes mais crianças e adolescentes obesos no mundo do que existiam há quatro décadas. É o que mostra um novo estudo liderado pelo Imperial College de Londres e pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Entre 1975 e 2016, o índice de obesos passou de 0,7% para 5,6% entre as meninas, e 0,9% e 7,8% entre meninos. A faixa etária estudada foi de 5 a 19 anos de idade. No total, o número de obesos na infância e na adolescência saltou de 11 milhões para 124 milhões, nesse período. Outros 213 milhões estão com excesso de peso, mas ainda não são considerados obesos.

Nas últimas quatro décadas, as taxas de obesidade em crianças e adolescentes aumentaram em nível mundial e continuam a fazê-lo em países de baixa e média renda. Mais recentemente, esse índice tem estabilizado em países de maior renda, embora os níveis de obesidade permaneçam inaceitavelmente altos — destacou o autor principal do estudo Majid Ezzati, da Escola de Saúde Pública do Imperial College de Londres.

De acordo com o relatório, publicado nesta terça na revista internacional "The Lancet", se as tendências dos últimos anos continuarem, em 2022 haverá no mundo mais crianças e adolescentes com obesidade do que com desnutrição, abaixo do peso.

Para adultos, o sobrepeso é diagnosticado quando o índice de Massa Corporal (IMC) está entre 25 e 30, e a obesidade existe quando o IMC passa dos 30. No entanto, para avaliar o peso de crianças e adolescentes não se pode usar essa ferramenta, porque eles ainda estão em fase de desenvolvimento.

Por isso, a OMS tem uma ferramenta técnica chamada de curva de crescimento, que monitora o peso e a altura entre 0 e 19 anos de idade.

Como as crianças estão em fase de crescimento, não há um índice fixo para identificar os pontos de corte de sobrepeso e obesidade, como no caso dos adultos em que um IMC acima de 25 caracteriza a doença. Então, é preciso medir altura e peso da criança para, depois, por meio das curvas, classificarmos a condição como magreza acentuada, magreza, eutrofia, sobrepeso, obesidade ou obesidade grave.

(Fonte: O Globo/ Adaptado)

Torta de morango light

Torta de morango light

-INGREDIENTES
1 pacote de Magic Toast Marilan integral
1 envelope de adoçante
1 colher (sopa) de manteiga
1 clara de ovo
1 caixa de pudim light
1 caixa de morango
1 caixa de gelatina de morango light
3 colheres (sopa) de leite condensado light

- MODO DE PREPARO
Misture em um bowl a bolacha, o adoçante, a manteiga e a clara, até formar uma farofa úmida.
Coloque em formas individuais, e leve pra assar até ficar dourada e crocante.

Recheio

Faça o pudim como manda a embalagem, deixe um pouco mais mole, acrescente o leite condensado.
Coloque uma colher de recheio em cada forminha, e coloque os morangos fatiados por cima.
Em seguida, pincele com a gelatina, que deve ser um caldo grosso e gelado.
Deixe encorpar na geladeira e sirva.

(Fonte: Lucilia Diniz)

Nozes e castanhas protegem o coração contra doenças, diz estudo

Nozes e castanhas protegem o coração contra doenças, diz estudo

Um estudo de Harvard mostrou que o consumo de nozes, castanhas, avelã e amendoim reduz o risco de doenças cardíacas em até 23%

Segundo um novo estudo publicado no periódico científico Journal of the American College of Cardiology, comer um punhado de nozes, castanhas, avelãs e amendoins duas ou mais vezes por semana pode reduzir o risco de doenças cardíacas. Os resultados da pesquisa, realizada pela Universidade Harvard, nos Estados Unidos, mostraram que o risco de uma pessoa que consome as oleaginosas desenvolver doenças cardiovasculares é 15% menor, enquanto a doença arterial coronariana é reduzida em 23%.

“Nossas descobertas reforçam as recomendações de alimentação saudável que sugerem uma maior ingestão de variedades de nozes e castanhas a fim de reduzir o risco de doenças crônicas“, disse Marta Guasch-Ferre, nutricionista da Universidade Harvard e principal autora do estudo, ao jornal britânico The Telegraph.

Castanhas e nozes
Diferentes tipos de nozes e castanhas, entre eles amêndoas, avelãs, castanha-de-caju, castanha-do-pará, pistache, noz-pecã e amendoim, são considerados superalimentos devido aos altos teores de antioxidantes, proteínas, minerais e fibras.

(Fonte: Veja/Adaptada)

Sete ou mais porções de frutas e legumes diariamente aumentam os benefícios para a saúde, em estudo do Jornal de Epidemiologia e Saúde Comunitária

Sete ou mais porções de frutas e legumes diariamente aumentam os benefícios para a saúde, em estudo do Jornal de Epidemiologia e Saúde Comunitária

Pesquisadores da University College London usaram um levantamento de dados de saúde realizado entre 2001 e 2008, na Inglaterra, sobre os hábitos alimentares de uma amostra aleatória de 65.226 participantes, com idade de 35 anos ou mais. Estes dados foram relacionados às informações sobre mortalidade do Reino Unido até o primeiro trimestre de 2013. O objetivo foi avaliar se o consumo diário de frutas e legumes beneficia a saúde da população geral da Inglaterra.

Métodos de regressão de Cox foram utilizados em tal análise. Foi realizada uma associação entre o consumo de frutas e vegetais e todas as causas de mortalidade cardiovascular e câncer, com ajustes para idade, sexo, classe social, educação, índice de massa corporal (IMC), consumo de álcool e atividade física.

O consumo de frutas e vegetais foi associado à diminuição da mortalidade por todas as causas. Esta associação foi mais pronunciada quando se excluíram as mortes dentro de um ano do início do estudo. O consumo de frutas e vegetais foi associado à redução do câncer e da mortalidade cardiovascular. Os vegetais podem ter uma associação mais forte com a mortalidade do que o consumo de frutas. O consumo de legumes ou salada foram fatores de proteção, enquanto o consumo de frutas congeladas ou em conserva foi associado ao aumento da mortalidade.

Concluiu-se que existe uma forte associação inversa entre consumo de frutas e vegetais e a mortalidade, com os maiores benefícios observados para aqueles que consomem sete ou mais porções desses alimentos diariamente.

(Fonte: News Med)

Página 4 de 209

Destaque

banner

Video em Destaque

bem-estar

Corpo Clínico

dr-almino-aa

 

Dr. Almino Cardoso Ramos

Diretor Geral da Clínica Gastro Obeso Center

saiba


dr-manuela

 

Dra. Manoela Galvão Ramos

Diretora administrativa da Clínica Gastro Obeso Center

saiba


dr-galvao

 

Dr. Manoel Galvão Neto

Coordenador/ Chefe da Endoscopia Bariátrica Avançada da Clínica Gastro Obeso Center

saibamaismais


dr-thales

 

Dr. Thales Delmondes Galvão

Cirurgião da Clínica Gastro Obeso Center

saiba


dr-nestor-tadashi-bertin-suguitani-m

 

Dr. Nestor Tadashi Bertin

Cirurgião da Clínica Gastro Obeso Center

saiba 


dr-eduardo-bastos-m

 

Dr. Eduardo Bastos

Coordenador Científico da Clínica Gastro Obeso Center

saiba


dr-raphael-torres

 

Dr. Raphael Tôrres Figueirêdo de Lucena

Cirurgião da Clínica Gastro Obeso Center

saiba

 

Calcule seu IMC

Peso:
Kg
Altura:
m


IMC:

 

Newsletter GOC

Name:
Email: