Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider

Excesso de peso: saiba quando a culpa é da genética

E-mail Imprimir PDF

-dieta-original6

“Ela não engorda de ruim que é!” Quem vive em guerra com a balança costuma reagir com irritação diante de uma pessoa magra comendo tudo que tem vontade. E é verdade que por trás dessa proteção contra o ganho de peso existe um defeito, um metabolismo ineficiente que desperdiça muita energia e acaba se transformando em uma grande vantagem nestes tempos de abundância de alimentos e estilo de vida sedentário.

Qual o papel da genética nisso tudo? Estudos com gêmeos idênticos e não idênticos indicam que metade da variação de peso na espécie humana está ligada aos genes, restando a outra metade para os fatores ambientais.
Até a distribuição do tecido adiposo pelo corpo é determinada geneticamente.

Algumas alterações genéticas podem levar a quadros graves de obesidade, mas felizmente são muito raras. Exemplos disso são os defeitos nos genes da leptina e do receptor MC4. Outras são mais frequentes, mas levam a um ganho de peso bem menor. A alteração do gene FTO, que faz o portador ganhar em média 3 quilos e aumentar seu risco de ficar obeso em 60. A simples prática de exercícios físicos pode reverter esse risco genético. O problema é que muita gente pode carregar diversas dessas mutações envolvendo vários genes relacionados com o ganho de peso, tornando necessário um tratamento com remédios ou mesmo a cirurgia bariátrica.

Para complicar um pouco mais esse cenário, surgiu a epigenética. que estuda a transmissão de alterações ocorridas com os pais para os filhos, sem envolver mudanças no DNA. A genética seria o hardware da informática e a epigenética, o software. Algumas pesquisas têm apresentado resultados bastante surpreendentes. Experiências com ratinhos já mostraram, por exemplo, que, quando o pai é submetido a uma dieta rica em gorduras, isso leva a alterações epigenéticas que são transmitidas a seus filhos, expondo-os a um maior risco de desenvolver obesidade. Para evitar inteiramente a possibilidade de interferência por fatores ambientais, foi eliminado qualquer contato entre pai e filho, por meio da técnica de inseminação artificial. A gordura em excesso na alimentação provocou alterações epigenéticas, no software do espermatozoide, que induziram excesso de peso nos descendentes.

Já se sabia que fatores genéticos influenciam a resposta do organismo a fatores ambientais. Com a epigenética, descobriu-se que os fatores ambientais também podem determinar alterações no organismo que são transmitidas a gerações futuras.

A medicina de hoje ainda não consegue modificar genes, mas uma novidade promete ajudar os médicos e profissionais de saúde a entender melhor o perfil genético dos pacientes que procuram um tratamento para emagrecer. Através de uma amostra de saliva, já se consegue identificar um grande número dessas alterações nos genes, o que pode ajudar na escolha de um programa de tratamento individualizado, aumentando com isso a probabilidade de sucesso na perda de peso e na sua manutenção.

(Fonte: Veja)

 

Destaque

banner

Video em Destaque

bem-estar

Corpo Clínico

dr-almino-aa

 

Dr. Almino Cardoso Ramos

Diretor Geral da Clínica Gastro Obeso Center

saiba


dr-manuela

 

Dra. Manoela Galvão Ramos

Diretora administrativa da Clínica Gastro Obeso Center

saiba


dr-galvao

 

Dr. Manoel Galvão Neto

Coordenador/ Chefe da Endoscopia Bariátrica Avançada da Clínica Gastro Obeso Center

saibamaismais


dr-thales

 

Dr. Thales Delmondes Galvão

Cirurgião da Clínica Gastro Obeso Center

saiba


dr-nestor-tadashi-bertin-suguitani-m

 

Dr. Nestor Tadashi Bertin

Cirurgião da Clínica Gastro Obeso Center

saiba 


dr-eduardo-bastos-m

 

Dr. Eduardo Bastos

Coordenador Científico da Clínica Gastro Obeso Center

saiba


dr-raphael-torres

 

Dr. Raphael Tôrres Figueirêdo de Lucena

Cirurgião da Clínica Gastro Obeso Center

saiba

 

Calcule seu IMC

Peso:
Kg
Altura:
m


IMC:

 

Newsletter GOC

Name:
Email: