Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider

Diabetes tipo 2 em adolescentes e adultos jovens é cada vez mais comum, em artigo publicado pelo The Lancet Diabetes e Endocrinology

E-mail Imprimir PDF

26731518 1922597771325092 7011899575423063145 n

Na revisão publicada pelo The Lancet Diabetes & Endocrinology, pesquisadores da School of Life and Health Sciences, Aston University, Birmingham, no Reino Unido, descreveram a epidemiologia e os conhecimentos existentes até o momento sobre fisiopatologia, fatores de risco, complicações e manejo de diabetes tipo 2 em adolescentes e adultos jovens.

A prevalência de diabetes tipo 2 em adolescentes e adultos jovens está aumentando dramaticamente. Semelhante ao diabetes tipo 2 de início mais tardio, os principais fatores de risco predisponentes são obesidade, história familiar e estilo de vida sedentário. O início do diabetes em uma idade mais jovem (aqui definido até 40 anos de idade) está associado à maior exposição a doenças e aumento do risco de complicações crônicas. O diabetes tipo 2 de início precoce também afeta mais indivíduos em idade laborativa, acentuando os efeitos sociais adversos da patologia. Além disso, acumulam-se evidências de que o diabetes tipo 2 de início precoce possui um fenótipo de doença mais agressivo, levando ao desenvolvimento prematuro de complicações, com efeitos adversos na qualidade de vida e resultados desfavoráveis no longo prazo, aumentando a possibilidade de uma catástrofe futura na saúde pública.

Até meados dos anos 90, apenas cerca de 4% dos novos casos de diabetes tipo 2 ocorriam em crianças. Até então, se uma criança tivesse diabetes, o mais provável era que fosse do tipo 1. É por isso que a comunidade médica se referia a ela como diabetes juvenil. No entanto, começamos a observar um aumento na incidência de obesidade em crianças e também uma maior prevalência de diabetes tipo 2. Atualmente, o número de crianças que são diagnosticadas com diabetes tipo 2 quase triplicou, de forma que denominar a diabetes tipo 1 de diabetes juvenil é incorreto.

A fisiopatologia do diabetes tipo 2 em crianças e adultos é bastante semelhante. A marca registrada é a resistência à insulina, com uma diminuição na produção de insulina pelo organismo. As crianças que são diagnosticadas com diabetes tipo 2 terão uma diminuição de aproximadamente 80% no número de células das ilhotas beta do pâncreas no momento do diagnóstico. E, além disso, na criança também está acontecendo um processo diferente que é a puberdade.

Aos 10 anos de idade, as crianças têm uma resistência fisiológica à insulina. Quando adicionada à obesidade, pode-se ver uma comorbidade grave como a encontrada em crianças diagnosticadas com diabetes tipo 2. Portanto, a obesidade combinada ao fato de que o corpo naturalmente é fisiologicamente menos sensível à insulina no início da puberdade, soma poder à resistência à insulina. Entre os 14 e 19 anos, vê-se um aumento no hormônio do crescimento que também leva à resistência insulínica. Todos esses fatores se alinham e são a razão pela qual as crianças têm maior chance, principalmente se forem obesas, de ter diabetes tipo 2.

É importante educar a criança e a família sobre o diagnóstico e sobre as opções e planos de tratamento. Um dos principais pontos no tratamento do diabetes tipo 2, em conjunto com a terapia farmacológica, é a modificação do estilo de vida através de programas multidisciplinares que podem ajudar essas crianças ao longo do caminho.

Vale lembrar que na triagem para o diabetes tipo 2 em crianças não era costumeiro usar a hemoglobina glicosilada (HBA1c). Isto mudou recentemente: hoje o exame é aplicado tanto como ferramenta de diagnóstico quanto de triagem. No entanto, deve-se ter cuidado com alguns resultados falsos positivos que podem ocorrer, por exemplo, nas discrasias sanguíneas que podem afetar o resultado da HBA1c, como na anemia falciforme e na talassemia. Hoje, tornou-se fundamental assumir uma postura mais suspeita e procurar o risco para pré-diabetes e diabetes tipo 2 em crianças, pois a doença é mais comum do que costumávamos pensar.

Uma intervenção de estilo de vida familiar é o principal suporte no tratamento do diabetes tipo 2 em adolescentes. Existem alguns medicamentos, mas menos do que os que estão disponíveis para o tratamento de adultos.

(Fonte: News.med)

 

Destaque

banner

Video em Destaque

bem-estar

Corpo Clínico

dr-almino-aa

 

Dr. Almino Cardoso Ramos

Diretor Geral da Clínica Gastro Obeso Center

saiba


dr-manuela

 

Dra. Manoela Galvão Ramos

Diretora administrativa da Clínica Gastro Obeso Center

saiba


dr-galvao

 

Dr. Manoel Galvão Neto

Coordenador/ Chefe da Endoscopia Bariátrica Avançada da Clínica Gastro Obeso Center

saibamaismais


dr-thales

 

Dr. Thales Delmondes Galvão

Cirurgião da Clínica Gastro Obeso Center

saiba


dr-nestor-tadashi-bertin-suguitani-m

 

Dr. Nestor Tadashi Bertin

Cirurgião da Clínica Gastro Obeso Center

saiba 


dr-eduardo-bastos-m

 

Dr. Eduardo Bastos

Coordenador Científico da Clínica Gastro Obeso Center

saiba


dr-raphael-torres

 

Dr. Raphael Tôrres Figueirêdo de Lucena

Cirurgião da Clínica Gastro Obeso Center

saiba

 

Calcule seu IMC

Peso:
Kg
Altura:
m


IMC:

 

Newsletter GOC

Name:
Email: