E para finalizar a semana, o último capítulo da série de reportagens mostra qual é o papel do jejum?

Em geral, os jejuns mais prolongados obedecem a motivações religiosas, embora os jejuns mais curtos possam ser feitos por razões médicas ou como dietas para emagrecer. Jejuar por propósitos espirituais é tornar-se espiritualmente “completo”, mas também constrói disciplina e respeita os verdadeiros sinais de fome do corpo.

Breves períodos de jejum ensinam que a fome não é uma emergência que requer ação imediata em todos os momentos. Idealmente, aprende-se a distinguir sinais físicos, naturais e verdadeiros de fome. Se a comida/bebida está governando a vida da pessoa, desistir dela por um determinado período de tempo pode ser um excelente exercício de autoexame. Esse autoexame através do jejum ensina a estar contente com comidas simples.

O jejum pode nos ajudar a controlar pensamentos gulosos e redirecionar o apetite para algo construtivo. Além disso, aqueles que regulam a comida tendem a gostar mais dela. Alguém que acabou de fazer um jejum de qualquer natureza, provavelmente gostará mais de um morango do que a pessoa que comeu todos os dias. Ademais, se estiver sempre plena de comida/bebida, a pessoa pode esquecer-se do crescimento espiritual. O jejum foi feito para aumentar a fome pela espiritualidade.

(Fonte: Minha Vida)

Todas as postagens

    Fale Conosco

    R. Barata Ribeiro, 237 - conj. 101/102 - Bela Vista, São Paulo - SP, 01308-000, Brasil
    Tel.: 11 3211-1200 / 11 3125-1222